Notícias

Anastasia recusa, mais uma vez, convite para disputar governo do Estado

Senador garantiu todo seu empenho na campanha de Alckmin em Minas, mas sem ser candidato

Crédito Foto: Ailton de Freitas / Agência o Globo
 

Por fim, o já sabido: o senador Antônio Anastasia (PSDB) reiterou sua decisão de não concorrer ao governo mineiro. Sua posição, em caráter “definitivo”, foi feita em entrevista ao jornal Estado de Minas, publicada na última quarta-feira (28). Antes, a coluna Expresso, da Revista Época, registrou, desde a última sexta-feira (23), que ele já teria comunicado sua decisão ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pré-candidato tucano à Presidência da República.

Para Alckmin, a candidatura de Anastasia daria a ele um palanque forte no segundo maior colégio eleitoral brasileiro. O governador de São Paulo chegou a registrar que uma candidatura de Anastasia seria “natural” e que seria “porta bandeira” da campanha do mineiro.

Apesar de todo o apelo e estimulo, Anastasia agradeceu a deferência, mas confirmou que não se candidataria. Garantiu todo seu empenho na campanha de Alckmin em Minas, mas sem ser candidato.

A resistência de Anastasia, segundo relatado por boa parte da grande imprensa, é pela percepção dele de que, caso ganhe, não consiga replicar a mesma desenvoltura gerencial de quando fora governador. Existiria também o receio de contrair muitas dívidas de campanha.

Mais reservadamente, parlamentares tucanos dizem que algumas pesquisas apontam que a rejeição do Aécio teria contaminado a imagem de Anastasia. “Ele [Anastasia] sabe que se for candidato, tendo ele sido relator do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, vai virar alvo de toda sorte de calúnias e notícias falsas. A imagem dele vinculada a de Aécio será outro embaraço. Esperar todo esse turbilhão passar é o que ele quer”.

Anastasia já havia recusado a “empreitada”. Antes, porém, fora estimulado pelo senador Aécio Neves (PSDB), seu padrinho político.

À época, a avaliação feita por Aécio e por lideranças de outros partidos que integravam a base política do PSDB era que Anastasia era o nome de maior viabilidade eleitoral do campo político, capaz de unificar os aliados e de reconduzir os tucanos ao comando do segundo maior colégio eleitoral brasileiro.

Anastasia agradeceu o convite e recusou a proposta em diferentes oportunidades:  em reuniões da bancada do PSDB no Senado; em reuniões da executiva do PSDB Minas, em eventos públicos, como quando em uma palestra em Belo Horizonte e pessoalmente às muitas lideranças que o incentivavam.

Em dezembro do ano passado, Anastasia gravou vídeo intitulado “Conversa com Rodrigo Pacheco”. Na descrição do vídeo, registrou que não seria candidato, mas que mantinha conversa com lideranças de todo o Estado, a fim de apresentar boa alternativa ao “desgoverno” que assistia em Minas Gerais. No vídeo, Anastasia destaca que Pacheco teria um “protagonismo muito importante”, em 2019.

Comentários

Comentários

Siga-nos no Twitter

© 2017 PODER EM FOCO