Notícias

Anastasia cede à pressão do tucanato e será candidato ao governo de Minas

Notícia embaralha ainda mais a disputa pelo comando do Palácio da Liberdade

Crédito Foto: Pedro França / Agência Senado
 

Após duas recusas, o senador Antônio Anastasia comunicou à cúpula do seu partido, o PSDB, que poderá ser candidato ao governo de Minas Gerais. A notícia embaralha ainda mais a disputa pelo comando do Palácio da Liberdade, que já é uma das com maior grau de imprevisibilidade eleitoral.

Segundo publicação da coluna Painel, do jornal Folha de São Paulo, Anastasia mudou de ideia após uma longa conversa com o senador Aécio Neves, seu padrinho político, e um telefonema do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Ele foi convencido da sua importância para o PSDB. Como os tucanos não têm nomes competitivos no Rio de Janeiro e na Bahia, garantir uma candidatura em Minas é essencial para a viabilidade da candidatura de Geraldo Alckmin.

Candidato, Anastasia também ajudará a estancar a debandada de deputados tucanos em Minas que estava para acontecer durante a janela partidária. Dos oito deputados estaduais que compõe a bancada tucana na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), especulava-se que pelo menos cinco migrariam para outras legendas.

Já na Câmara dos Deputados, a expectativa era de que ao menos quatro dos sete tucanos mineiros buscariam outra legenda para garantir a reeleição.

A candidatura de Anastasia dará novo fôlego à tentativa de reeleição do senador Aécio Neves. Com grande desgaste da sua imagem após ser gravado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, supostamente para o pagamento da sua defesa na Operação Lava Jato, onde está respondendo a vários inquéritos, Aécio passou a encontrar dificuldades para composição com os demais candidatos ao governo do Estado.

Embora tenha confirmado que passaou a considerar sua candidatura a alguns veículos de imprensa, Anastasia não fez nenhuma confirmação em seus nas redes sociais. O presidente estadual do PSDB Minas, o deputado federal Domingos Sávio, também não repercutiu à candidatura de Anastasia em seu perfil no Facebook.

A princípio, a candidatura de Anastasia não aglutinará antigos aliados. O deputado federal Rodrigo Pacheco, que era o “plano do B” dos tucanos em Minas, já reafirmou sua pré-candidatura ao governo do Estado. Em nota, Pacheco destacou que sua candidatura “decorre da caótica situação do Estado e da absoluta certeza de que a solução está na renovação responsável, capaz de romper com a política tradicional e viciada que levou Minas Gerais à pior crise de sua história”.

Na próxima segunda-feira (19), Pacheco se filiará ao DEM, legenda por onde será candidato.

O ex-prefeito de Belo Horioznte, Márcio Lacerda, outro antigo aliado que também é pré-candidato a governo de Minas, também se apressou em reiterar o caráter “irreversível” da sua candidatura. Ele negou os boatos de que retiraria sua candidatura para se aliar aos tucanos, passando a disputar uma vaga no Senado. “A candidatura do senador Antônio Anastasia não muda em nada a posição de Marcio Lacerda. Ele continua candidatíssimo, ele continua com mesmo ritmo de viagens, andando por todo o Estado”, destacou a assessoria do ex-prefeito.

Outras recusas

Há cerca de três semanas, Anastasia reiterou que não seria candidato. Comunicou sua posição ao governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República. Agradeceu todas as manifestações de apoio e incentivo e garantiu seu empenho na campanha de Alckmin em Minas, mas sem ser candidato.

Anastasia já havia recusado a candidatura no ano passado. Antes, porém, fora estimulado pelo senador Aécio Neves (PSDB). A avaliação feita por Aécio à época era de que o nome de maior viabilidade eleitoral do PSDB era o de Anastasia. Só ele seria capaz de unificar os aliados e reconduzir os tucanos ao comando do segundo maior colégio eleitoral brasileiro.

Ao se dispor a enfrentar o governador Fernando Pimentel (PT), Anastasia sabe que reacenderá em Minas a polarização entre o PT e o PSDB.

Comentários

Comentários

Siga-nos no Twitter

© 2017 PODER EM FOCO